Um dos problemas mais democráticos da vida urbana: a mobilidade

Mobilidade Urbana:
A crescente dificuldade de ir e vir de um ponto a outro já afeta cidadãos de todas as faixas de renda e categorias profissionais, além de diversos segmentos de mercado. O paulistano perde, em media, o equivalente a 40 dias por ano parado no transito,segundo levantamento da Rede Nossa São Paulo. O resultado é um desperdício anual que, em 2022, deve chegar a um total de R$ 160 bilhões,segundo o Sistema Firjan,considerando apenas as regiões metropolitanas de São Paulo e Rio de Janeiro.

Não existem duvidas, para a importância da integração entre poder público, sociedade e empresas na busca por alternativas capazes de melhorar a qualidade de vida das pessoas e o desempenho econômico do País, conduzindo todos nós a um lugar melhor.

Necessário melhorar a mobilidade urbana como qualidade de vida.

Leia também:

 Recarga de Carro Elétrico: Regulamentação!

Família Inteligente Economiza Energia Elétrica!

 

 

Tendências que movem a transformação

  • Mobilidade compartilhada
  • Carros autônomos
  • Veículos elétricos
  • Conectividade e internet das coisas
  • Transporte público
  • Aumento da população urbana
  • Sistemas de energia descentralizados
  • Ambiente regulatório

Fonte:McKinsey&Company

 

Um dos grandes desafios de qualquer grande cidade é a mobilidade urbana. Garantir que as pessoas consigam exercer o direito de ir e vir com eficiência e comodidade. Oferecer opções de deslocamento a milhões de pessoas diariamente não é uma tarefa simples. O caminho para resolver essa equação é pensar em cidades cada vez mais compartilhadas, nas quais ônibus, carros, bicicletas, metrôs, trens, bicicletas e pedestres possam dividir o mesmo espaço de forma harmoniosa, e em cidades cada vez mais inteligentemente integradas.

A criação de um sistema de transporte urbano mais sustentável e eficiente exige completaridade entre os diferentes modais de transporte e soluções tecnológicas aplicadas. As cidades precisam ser mais inteligentes( smart cities).

Conexão é o futuro:

Câmeras, sensores e acesso à internet tornarão as cidades mais eficientes, e os trajetos mais rápidos e sustentáveis. Smartphones,relógios com acesso a internet,carros com computador de bordo,ônibus e trens com sensores são algumas das aplicações visíveis da internet das coisas pode fazer nos próximos anos.

Transporte

Proximidade:
Quadras reúnem espaços de trabalho, comercio e moradia, mapeados para os cidadãos. Isso reduz a necessidade e incentiva percursos a pé, de bicicleta ou de scooters. Redes de compartilhamento de bicicletas,automóveis e scooters intensificam as opções de deslocamento,oferecendo dados em tempo real aos usuários.

Tarifas dinâmicas:
Pedágio, preços de estacionamentos e taxas de congestionamento são fixados conforme a demanda,o horário e a ocupação dos veículos.

Ciclovias:
Planejadas a partir da demanda, em espaços apartados dos carros, oferecem maior segurança e encorajam novos ciclistas.

Inteligência artificial:
Veículos autônomos interagem com outros veículos, semáforos e pedestres (freado, por exemplo) em rotas que independem da presença de motorista.

Eficiência:
Veículos médios, capazes de transportar de 5 a 16 passageiros, são mais flexíveis do que os ônibus, criando trajetos a partir da solicitação dos usuários.

Ônibus, metrô e trens:


Dotados de sensores, ajustam itinerários e frequência a partir dos dados coletados e também alertam sobre a necessidade de manutenção.

Câmeras:
Conectadas à internet, elas permitem monitoramento em tempo real e acionamento de serviços e equipes de emergência.

Drones:
Auxiliam na fiscalização e manutenção de estruturas e equipamentos, alertando sobre a necessidade de intervenção.

Cidades Inteligentes-Smart Cities

Conceito de Smart City:

Aplicação de soluções tecnológicas para obtenção de serviços e infraestruturas mais eficientes.

Baseada em seis pilares:

  1. Smart Environment- proteção ambiental e gestão de recursos naturais
  2. Smart Economy – competitividade econômica
  3. Smart People – qualificação das pessoas e das interações sociais
  4. Smart Governance – bom funcionamento dos serviços e da administração publica
  5. Smart Mobility – acessibilidade às redes de tecnologia da informação
  6. Smart Living – soluções para cultura, saúde, segurança e habitação

Cidades inteligentes devem ser resilientes,inclusivas e sustentáveis.

Mostrar mais

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo