O preço da conta de Luz

Nova bandeira para cobrança de energia elétrica.

O preço da conta de Luz

Nova bandeira para cobrança de energia elétrica.

A ANEEL (Agencia Nacional de Energia Elétrica) anunciou na terça feira (31 de agosto de 2021) a criação de uma nova bandeira para a conta de energia, chamada de bandeira de escassez hídrica.

A taxa tem o valor de R$14,20 por 100 kWh, e será aplicada à conta de luz a partir de quarta-feira 1º de setembro, e ficará em vigor até 30 de abril de 2022.

O novo valor representa um aumento de 49,6% em relação à atual bandeira vermelha patamar 2 que estava sendo aplicada à conta de energia. No final de junho, o valor da bandeira vermelha patamar 2 já havia subido bastante.

O motivo da alta do preço da energia elétrica é a maior crise hídrica que o pais enfrenta desde 1930. Com a diminuição das chuvas, o nível dos reservatórios das hidrelétricas que produzem a energia que abastece o país está baixo.

Bandeiras tarifárias

Toda vez que existe escassez de energia elétrica e as termelétricas precisam ser ligadas para suprir a demanda, as bandeiras tarifarias entram na conta de luz. O sistema de bandeiramento foi criado em 2015 com objetivo de custear a despesa incluindo taxas extras na conta dos consumidores. A taxa vai depender de como esta a situação da produção de energia das hidrelétricas e nível dos reservatórios. Antes disso, esse custo só era aplicado no reajuste da tarifa.

A cor da bandeira aplicada para o período é que determina o acréscimo no preço da energia para o consumidor.
A taxa é calculada por cada quilowatt-hora consumido pelo usuário.

Bandeiras antes existente:

  • Bandeira vermelha patamar 2: a pior das condições de geração
  • Bandeira vermelha patamar 1:condições mais custosas de geração
  • Bandeira amarela: condições menos favoráveis
  • Bandeira verde: condições favoráveis de geração de energia

*Agora a nova bandeira de escassez hídrica.

Segundo a ANEEL ,a elevação das taxas também é um alerta para que os consumidores evitem desperdício e economizem energia.

Crise hídrica

Em sua pior crise, os reservatórios das hidrelétricas do Centro-Oeste e Sudeste atingiram o menor patamar para agosto dos últimos 20 anos, com apenas 21,57% da capacidade, segundo o Operador Nacional do Sistema. As duas regiões concentram 70% da capacidade de armazenamento do sistema.

A seca começou a afetar a produção de energia desde maio e só piorou em setembro, dando origem a criação da bandeira de crise hídrica.

A nova taxa entra em vigor em 01/09/2021 e vai até abril do ano que vem, exceto para consumidores de baixa renda ou moradores de Roraima.

A nova taxa devera representar um aumento real em torno de 7% na conta de luz dos usuários. Impactos na vida do consumidor Segundo estimativas do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), nos últimos 12 meses, o reajuste acumulado da conta de luz, foi de cerca de 20%%, mais que o dobro da inflação do período, calculada em 7%.

O aumento do custo da energia elétrica provoca uma reação em cadeia, que mexe com toda economia. Ela é componente da formação de preços, assim como os combustíveis, influindo na composição final do preço de produtos e serviços.

Fontes: ANEEL – Agencia Nacional de Energia Elétrica
www.comprasustentavel.com.br

Mostrar mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo